Os Palmitos Imprimir e-mail

Por ocasião do Domingo de Ramos, é costume fazerem-se “Os Palmitos”. São folhas novas de palmeira que são entrançadas fazendo alguns desenhos a partir das próprias folhas; podem ser enriquecidas e embelezadas com alecrim e outras flores campestres e com algumas fitas de seda.

Esta Tradição era da responsabilidade do Juiz da Igreja, que em Domingo de Ramos os distribuía pelos homens da freguesia, revelando o extracto social a que pertenciam; dizia-se que os mais bonitos eram o do Senhor Prior e do Médico da Freguesia.

Esta Tradição caiu em desuso porque, além do trabalho que davam, as palmeiras não abundavam na freguesia, sendo necessário recorrer a freguesias vizinhas, nomeadamente na Borralha, na Quinta do Conde.

 
Com o esforço de algumas pessoas, há cerca de uma dezena de anos que se tem vindo a recuperar esta Tradição, naturalmente sem o carácter social do passado.

Um grupo de homens, coordenados pelo Juiz da Igreja, no fim-de-semana anterior ao Dia de Ramos, percorre a freguesia à procura de folhas novas de palmeira.

Na semana que antecede o Domingo de Ramos, todos os dias à noite, no Centro Paroquial, vão-se fazendo os palmitos. Aparecem pessoas para ensinar a fazer, outras para aprender, alguns trazem os filhos, outros os netos… Cria-se um espaço de convívio e de lazer natural cruzando diversas gerações, o que ajuda a manter esta Tradição bem viva nas famílias de Aguada de Cima; já vão parecendo pessoas de freguesias vizinhas que também querem aprender.

No Domingo de Ramos, quando se faz a Bênção de Ramos é ver crianças, adolescentes, jovens, homens e mulheres com os seus palmitos todos alegres, dando assim deste modo início à Semana Santa na Comunidade Paroquial de Santa Eulália de Aguada de Cima.

 

 

 

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >